Uma coleção surpreendente sobre o universo do cinema, construída ao longo de mais de 50 anos, por um técnico em refrigeração. É a história deste personagem original que acompanhamos no documentário Coleção Preciosa, de Rayssa Coelho e Filipe Gama, que será exibido no dia 25 de novembro, quinta-feira, às 19 horas, dentro da 25ª Mostra Competitiva Nacional de Curtas, janela de exibição que faz parte da programação do 28º Festival de Cinema de Vitória, que acontece entre os dias 23 e 28 de novembro, em formato on-line e gratuito, na plataforma Innsaei.tv

Segundo Rayssa, o primeiro contato dela com a coleção aconteceu ainda no período da sua graduação. “Em 2008, numa ação do Museu Pedagógico Casa Padre Palmeira e Janela Indiscreta, ambos da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, vi alguns poucos itens do acervo do Sr. Ferdinand Willi Flick dispostos numa exposição sobre práticas sociais de cinema na cidade de Vitória da Conquista. Na época, estava na graduação em História e fiquei profundamente interessada em conhecer melhor a Coleção, mas naquele momento não havia condições de conseguir fazer isso sozinha ou mesmo de montar uma equipe para isso, visto que o acervo está sob guarda do Museu, mas não tinha ainda sido integralmente visto por pesquisadores, estando ainda da forma como o colecionador o deixou, desde 1997, ano de seu falecimento”.  

Ao longo dos anos, a diretora continuou ‘esbarrando’ com o trabalho construído pelo colecionador até encontrar em Filipe Gama, co-diretor do curta, o parceiro ideal para tocar o projeto. “Na dissertação de uma das pesquisadoras da Uesb, a professora Milene Gusmão, havia a indicação para existência de cartas trocadas entre o Sr. Flick e outros colecionadores de diversos estados do país e eu percebi que seria necessário uma imersão mais cuidadosa nos itens para encontrá-las e, nesse processo, ir também encontrando os vestígios do fazer do colecionador e até mesmo das informações sobre ele, uma pessoa reservada que viveu construindo esse legado por 52 anos. Somente no ano de 2018, ao compartilhar com Filipe Gama esse desejo de trabalhar com a Coleção Preciosa, batizada assim pelo colecionador, que começamos a pensar no filme e a trabalhar com esse projeto que só em 2019 encontrou recursos, em edital setorial da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia”.

Inicialmente previsto para ser um projeto filmado em locações, o filme ganhou uma nova cara em função do isolamento social. “O filme foi realizado integralmente em período pandêmico e, justamente por isso, optamos por deixá-lo mais íntimo, com mais destaque nos itens e no depoimento de Rosana Flick, filha do colecionador. Antes disso, haveria cenas externas, tentaríamos visitar as salas de cinema (hoje quase todas se tornaram igrejas)”, conta a historiadora. 

Com o foco direcionado para a investigação dos objetos, a dupla foi descobrindo um acervo riquíssimo que ganhou até um site que amplia as informações para além da obra audiovisual. “Justamente por termos ficado mais focados nos itens, comumente compartilhávamos com surpresa as raridades da Coleção, os filmogramas raríssimos e também o vasto material dos filmes pornográficos, principalmente brasileiros, que muito nos fizeram rir, dada a sagacidade na brincadeira com os títulos. Recomendo que vejam o site que deriva desse filme, num projeto de memória que desenvolvemos, onde estão dispostas partes importantes da Coleção, voltadas ao cinema brasileiro”.

Sobre a seleção para o 28º Festival de Cinema de Vitória, Rayssa teve uma reação dupla. “Foi uma enorme alegria e surpresa, principalmente para mim, diretora estreante. O Festival de Vitória sempre esteve presente nas nossas conversas como um grande objetivo. Como realizadores da Região Sudoeste do Estado da Bahia, é muito importante que iniciativas de difusão tão fundamentais para o audiovisual brasileiro nos apoie e, principalmente, se junte e sonhe com a gente nesse objetivo comum de produzir e possibilitar acessos ao cinema nacional”.  

On-line

O Festival de Cinema de Vitória é o maior e mais importante evento de cinema do Espírito Santo. Entre os dias 23 e 28 de novembro, o evento será realizado em formato on-line e gratuito, com as mostras exibidas na plataforma Innsaei.tv. Os filmes estarão disponíveis para o público por 24 horas após a estreia.

O 28º Festival de Cinema de Vitória conta com o patrocínio do Ministério do Turismo, através da Lei de Incentivo à Cultura. Conta com o apoio da Rede Gazeta, da Tower Web e do Banestes. Conta também com o apoio institucional do Canal Brasil, da ABD Capixaba, da Carla Buaiz Jóias, da Inssaei.tv, do Centro Cultural Sesc Glória e da Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo. A realização é da Galpão Produções e do Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA).

28º Festival de Cinema de Vitória
25ª MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL DE CURTAS
23 a 27 de novembro
terça a sábado, às 19 horas

COLEÇÃO PRECIOSA 
Rayssa Coelho e Filipe Gama
DOC, Cor, H264, 15’, BA, 2021
Classificação Indicativa: Livre 
Sinopse: Vivendo na cidade baiana de Vitória da Conquista, o técnico em refrigeração Ferdinand Willi Flick dedicou mais de cinco décadas a cultivar sua grande paixão: o cinema. A relação entre Flick e a sétima arte resultou em uma impressionante coleção de itens de cinema, que ele chamava de “Coleção Preciosa”.
28º Festival de Cinema de Vitória
Quando: 23 a 28 de novembro
Onde: InnSaei.TV, YouTube e Redes Sociais do FCV
Online e Gratuito
25ª Mostra Competitiva Nacional de Curtas
Quando: 23 a 27 de novembro, às 19 horas
Exibição Coleção Preciosa*: 25 de novembro, quinta-feira, a partir das 19 horas
Onde: InnSaei.TV
Online e Gratuito
*O filme ficará disponível por 24 horas após a estreia