Uma ótima notícia para os apaixonados por cinema! Do dia 21 até 25 de junho, acontece o 28º Festival de Cinema de Vitória – Reencontro, que será realizado no Centro Cultural Sesc Glória e no Hotel Senac Ilha do Boi, e marca a volta ao formato presencial de um dos mais tradicionais festivais do cinema brasileiro e um dos mais expressivos eventos culturais do Espírito Santo. 

Depois de dois anos acontecendo em diversas telas on-line, o Festival retorna com uma edição especial, que é um desdobramento da primeira parte do evento, realizado em novembro de 2021, cumprindo todos os protocolos de proteção contra a Covid-19.  

“Os últimos dois anos foram de aprendizado e reinvenção para o Festival de Cinema de Vitória, que precisou se adaptar ao formato on-line em função de todos os protocolos sanitários. Ter a oportunidade de voltar a realizar uma edição presencial, com todos os requisitos de segurança, é algo extremamente estimulante. Contar com a presença dos realizadores e do público nas atividades de formação e nos debates, além da presença calorosa da plateia nas nossas sessões audiovisuais, é algo revigorante. Estamos ansiosos para esse momento”, afirmou Lucia Caus, diretora do FCV. 

Audiovisual  

Prata, de Lucas Melo, foi o Melhor Filme da 25ª Mostra Competitiva Nacional de Curtas. Foto: Divulgação

A programação intensa e diversificada do 28º Festival de Cinema de Vitória – Reencontro contempla um recorte potente da produção contemporânea audiovisual brasileira. Durante os cinco dias de evento, será apresentada uma seleção de filmes de curtas e longas-metragens premiados com o Troféu Vitória e que foram exibidos em 2021 na edição virtual do 28º FCV. O público irá conferir 28 produções, em programas especiais preparados pela curadoria do FCV. Além disso, estão previstas sessões especiais com filmes inéditos no circuito comercial. 

Festivalzinho 

O ano de 2022 também marca o retorno do Festivalzinho de Cinema de Vitória, que chega a sua 21ª edição, com patrocínio da ArcelorMittal. O projeto tem como foco criar um intercâmbio entre estudantes da rede pública e o universo da sétima arte, além de estimular a formação de plateias e desenvolver a sensibilidade do público mirim para o universo das artes.

Neste ano, as exibições acontecerão em nosso Cinema Móvel, que irá atender estudantes do Ensino Público do Município da Serra. Na programação, curtas-metragens de diversas partes do Brasil, fortalecendo a produção audiovisual contemporânea, com temática infantojuvenil.  

Ao longo de duas décadas, o Festivalzinho de Cinema de Vitória já contabiliza mais de 160 sessões que alcançaram um público de mais de 40 mil crianças, de 57 escolas do Espírito Santo, servindo como importante ferramenta educacional. 

Homenagens 

Outro destaque do 28º FCV – Reencontro são os lançamentos das edições impressas dos Cadernos das Homenageadas: Marcélia Cartaxo (Homenageada Nacional) e Margarete Taqueti (Homenageada Capixaba), que também participarão da cerimônia de homenagem no Centro Cultural Sesc Glória.

As publicações biográficas jogam luz sobre a obra e a vida dessas profissionais que contribuíram para a construção da cultura brasileira e cumprem o papel de eternizar a história da memória do cinema brasileiro através de suas trajetórias.

Marcélia Cartaxo 
Marcélia Cartaxo é a Homenageada Nacional do 28º FCV- Reencontro. Foto: Rodrigo Barbosa/ Divulgação

Atriz e diretora, Marcélia Cartaxo é a Homenageada Nacional do 28º Festival de Cinema de Vitória. Nascida em Cajazeiras, no Sertão da Paraíba, Marcélia Cartaxo é um dos grandes nomes da atuação no Brasil. Com mais de 40 anos de carreira, a atriz já interpretou os mais diversos tipos: de freira a prostituta, de mãe a avó, ela imprime o sonho, a força, a luta e a realidade da mulher brasileira em suas atuações. Entre os destaques estão a prostituta Laurita, de Madame Satã (2002), de Karim Aïnouz; a sonhadora Pacarrete (2019), do filme homônimo de Allan Deberton; e Macabéa, protagonista do longa-metragem A Hora da Estrela, de Suzana Amaral, que lhe rendeu o Urso de Prata de Melhor Atriz no Festival Internacional de Cinema de Berlim. 

Margarete Taqueti 
Margarete Taqueti é a Homenageada Capixaba do 28º FCV – Reencontro. Foto: Vitor Nogueira; Acervo IBCA

Margarete Taqueti é a Homenageada Capixaba do 28º Festival de Cinema de Vitória. Diretora, roteirista, pesquisadora, produtora, continuísta, atriz, dramaturga, cineclubista, gestora pública de cultura… muitas foram as funções exercidas por essa mineira natural de Aimorés e radicada em terras capixabas desde a adolescência nos anos 60. Com 67 anos completos em 2021, ela construiu uma trajetória diversa e sempre engajada na luta pela preservação e pela difusão da memória artístico-cultural do Espírito Santo. Dedicou-se a filmes de vários realizadores assumindo diferentes funções até sua estreia como diretora foi com o documentário A Lira Mateense (1992). Sua primeira ficção foi O Fantasma da Mulher de Algodão (1995), curta-metragem que apresenta a lenda urbana da mulher do banheiro para abordar as transformações da adolescência e o fantasma da ditadura. Seu mais recente trabalho para o cinema é o documentário Memórias do Esquecimento, com a co-direção de com Adriana Jacobsen e trata de acervos e sítios arqueológicos indígenas de São Mateus para discutir o apagamento da memória cultural local e nacional. Também deixou sua marca como cineclubista e gestora pública, além de ter feito parte da primeira diretoria da ABD Capixaba, fundada nos anos 2000. 

Formação 

Além disso, a programação inclui uma série de atividades de formação com oficinas, mesas e palestras que reafirmam o compromisso da Galpão Produções e do Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA) com a educação e a instrumentalização de profissionais para diversas áreas do setor.  Em breve serão divulgadas quais são as atividades e o formulário para as inscrições. Fiquem atentos as nossas redes sociais. 

O 28º Festival de Cinema de Vitória – Reencontro conta com o patrocínio do Ministério do Turismo e da ArcelorMittal , através da Lei de Incentivo à Cultura. A realização é da Galpão Produções e do Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA).