Uma das principais janelas de exibição do cinema brasileiro, o Festival de Cinema de Vitória se consolidou como um dos maiores eventos do audiovisual do Espírito Santo. Em quase três décadas de atividades, o evento  exibiu centenas de filmes, de diversas partes do Brasil que dialogam, divertem e refletem sobre o país. 

Um recorte simbólico e representativo deste material será exibido dentro da Mostra Panorama Brasil, que integra a programação do Festival de Cinema de Vitória: Panorama Diversidade 27 Anos, projeto que conta com recursos da Lei Aldir Blanc, e que acontece a partir de 24 de fevereiro, às 19 horas, e segue até 26 de março, em formato online e gratuito, no Canal de Youtube do Festival

Com curadoria do cineasta, pesquisador e professor do curso de Cinema e Audiovisual da Ufes Erly Vieira Jr, e do produtor audiovisual, editor e curador Waldir Segundo, a mostra apresenta cinco curtas-metragens que dialogam com a proposta plural do Festival de Cinema de Vitória.

“Este programa busca traduzir a ideia central do festival, que fala de diversidade e resistência dentro do cinema brasileiro, a partir de um recorte que aborda essas questões tanto nas temáticas quanto nos modos de produzir imagens nas mais diversas regiões”. explicou a dupla de curadores. 

Filmes 

A Mostra Panorama Brasil abre com Sweet Karolynne, de Ana Bárbara Ramos. O documentário aborda a questão periférica nordestina para além dos estereótipos, conduzida por por um duplo olhar feminino: o da documentarista e o da criança-protagonista. 

Na sequência, dois trabalhos que tratam das tradições formativas do povo brasileiro: Santos Imigrantes, de Thiago Costa, resgata a religiosidade afrodescendente a partir da intervenção urbana e da performance, enquanto que Porcos Raivosos, de Isabel Penoni e Leonardo Sette, é uma construção coletiva na qual as mulheres da tribo Kuikuro narram um mito indígena – e a própria câmera dialoga com a forma de narrar daquele povo. 

Fechando a seleção, dois filmes sobre a resistência de gênero no Brasil contemporâneo: o filme No Devagar Depressa dos Tempos, de Eliza Capai, vai até o sertão do Piauí para mostrar uma revolução silenciosa que ocorre em famílias chefiadas por mulheres que deixaram a linha da pobreza; e BR3, de Bruno Ribeiro, que mostra a diversidade cotidiana de pessoas  trans no complexo da Maré, no Rio de Janeiro.

Texto Curadoria Mostra Panorama Brasil

Este programa busca traduzir a ideia central do festival, que fala de diversidade e resistência dentro do cinema brasileiro, a partir de um recorte que aborda essas questões tanto nas temáticas quanto nos modos de produzir imagens nas mais diversas regiões. O programa abre com um clássico dos anos 2000: Sweet Karolynne aborda a questão periférica nordestina para além dos estereótipos, conduzida por por um duplo olhar feminino: o da documentarista e o da criança-protagonista. Seguem-se dois trabalhos a tensionarem as tradições formativas do povo brasileiro: Santos Imigrantes resgata a religiosidade afrodescendente a partir da intervenção urbana e da performance, enquanto que Porcos Raivosos é uma construção coletiva na qual as mulheres da tribo Kuikuro narra um mito indígena – e a própria câmera dialoga com a forma de narrar daquele povo. Encerramos o programa com dois retratos de resistência de gênero no Brasil contemporâneo: o filme No Devagar Depressa dos Tempos, de Eliza Capai, vai até o sertão do Piauí para mostrar uma revolução silenciosa que ocorre em famílias que deixaram a linha da pobreza, chefiadas por mulheres; e BR3, de Bruno Ribeiro, mostra a diversidade cotidiana de pessoas  trans no complexo da Maré, no Rio de Janeiro, seus imaginários, afetos e modos de existir e amar.

Erly Vieira Jr e Wadir Segundo

Panorama Diversidade 27 Anos 

O Festival de Cinema de Vitória: Panorama Diversidade 27 Anos é um projeto retrospectivo que apresenta 21 curtas-metragens exibidos no Festival de Cinema de Vitória ao longo de quase três décadas de existência. 

A programação foi dividida em três programas: Mostra Panorama Brasil, que trata da diversidade de temas associados ao Brasil; Mostra Panorama Espírito Santo, que joga luz sobre o cinema produzido no Estado que sedia o evento; e Mostra Panorama Diversidade, que trata da diversidade sexual e de gênero. 

Com realização do Instituto Brasil de Cultura e Arte, o projeto conta com recursos da Lei Aldir Blanc, via Edital de Seleção de Projetos e Concessão de Prêmio Artes Integradas 2020, por intermédio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult ES), direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

FESTIVAL DE CINEMA DE VITÓRIA
PANORAMA DIVERSIDADE 27 ANOS
MOSTRA PANORAMA BRASIL 

Sweet Karolynne (Ana Bárbara Ramos, PB, DOC, 2009, 15’)
Nem Elvis, nem Jarbas morreram. É tudo uma grande invenção.

Santos Imigrantes (Thiago Costa, SP, FIC/EXP, 2018, 7’)
Você tem um minuto para ouvir a palavra de Exú?

Porcos Raivosos (Isabel Penoni e Leonardo Sette, PE, FIC/DOC,2012, 10’)
Um grupo de mulheres decide fugir ao descobrir que seus maridos se transformaram misteriosamente em porcos furiosos.

No Devagar Depressa dos Tempos (Eliza Capai, SP/ES/PI, DOC, 2015, 25’)
Onde o tempo da escravidão é frase no presente, algo se move.

BR3 (Bruno Ribeiro, RJ, FIC, 2018, 23’)
Kastelany chega na casa da Luciana. Mia se prepara para sair à noite com suas amigas. Dandara transa com Johi pela primeira vez.

Festival de Cinema de Vitória: Panorama Diversidade 27 Anos
Quando: 24 de fevereiro, às 19 horas. Disponível até o dia 26 de março.
Onde: Canal de Youtube do Festival de Cinema de Vitória
Online e Gratuito