Pequenos encontros regados por afetividade. Esse é o fio condutor do filme  Manaus Hot City, de Rafael Ramos. A ficção será exibida na 24ª Mostra Competitiva Nacional de Curtas, que faz parte da programação do 27º Festival de Cinema de Vitória, que acontece entre os dias 24 e 29 de novembro, em formato online e gratuito.  

A ideia do curta surgiu de um momento de carinho entre o diretor e seus amigos espalhados em diversos pontos do Brasil. “Eu morava em São Paulo em 2018. Uma vez recebi uns peixes de Manaus em São Paulo, aí chamei um amigo para almoçar em casa. Foi um dia bem agradável e guardei a situação: será que isso não daria um roteiro?” relembra ele. 

O argumento do curta dialoga com a memória afetiva do diretor, além das influências literárias da época, para criar uma história de ficção. “A ideia era que o roteiro fosse muito singelo, pautado nos diálogos e que abarcasse Manaus e esse sentimento de distância  que nutria. Na época minhas grandes referências vinham  da poesia:  Matilde Campilho, Emily Dickinson, Ana Cristina César, Ferreira Gullar, etc. Escrevi então um poema chamado “Manaus Hot City” como gênesis do projeto, e a partir disso consegui desenvolver todo o roteiro, que durou em torno de uns 6 meses.”. 

O filme trata com delicadeza dos sentimentos que envolve a relação entre dois amigos e a cidade.  “As amizades hoje vivem de pequenos encontros eu acho, não sei se porque tô ficando velho tenho pensado assim também. Mas as conversas longas e saborosas – o interesse pelo os outros – tá ficando escasso, os sentimentos estão ficando escassos”. 

Uma das curiosidades do filme foi uma cena que foi deixada de fora e que dialogava com o mundo atual. “Tinha uma cena do roteiro que acabou caindo. Era uma cena meio surreal. Um cara andando pelo centro da cidade. O lugar vazio, e essa  pessoa com uma máscara todo encapuzada e com aquela máquina de dedetizar soltando fumaça. Quase uma premonição da pandemia. O filme foi rodado final de outubro de 2019 e foi finalizado abril deste ano. Me arrependi muito de não ter gravado essa cena. Seria o timing perfeito”.

A seleção para o festival deixou o diretor muito alegre. “Fico muito feliz. Engrandece a trajetória do filme. É um trabalho que , dentre outras coisas, aborda a temática LGBTQIA+, e a visibilidade que o festival proporciona e poder trazer essas discussões”. 

Online

O Festival de Cinema de Vitória é o maior e mais importante evento de cinema do Espírito Santo. Sua 27ª edição se materializa de forma diferente em 2020. Entre os dias 24 e 29 de novembro, o evento será realizado em formato online, com as mostras exibidas na plataforma InnSaei.TV, no Canal de YouTube e nas redes sociais do evento. Os filmes estarão disponíveis para o público por 24 horas, de acordo com a programação, que será divulgada em breve.

O 27º Festival de Cinema de Vitória conta com o Patrocínio do Ministério do Turismo, através da Lei de Incentivo à Cultura, e do Banestes. Conta com o apoio da Unimed Vitória, da Rede Gazeta, do Canal Brasil, da Stella Artois e da Suzano. Conta também com o apoio institucional do Centro Técnico do Audiovisual (CTAv), da Tower Web, da Dot, da Link Digital, da Mistika, da ABD Capixaba, da Carla Buaiz Jóias, do Findes, do Sesi Cultural e da Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo. A realização é da Galpão Produções e do Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA).

27º Festival de Cinema de Vitória
24ª MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL DE CURTAS

MANAUS HOT CITY (FIC, 13’, AM), Rafael Ramos

Dois amigos se encontram para comer um bodó. A conversa entre eles percorre as cores e os cheiros das casas, cozinha no pavimento, no calor da cidade. Alguém fica e alguém parte. Classificação indicativa: Livre

27º Festival de Cinema de Vitória
Quando: 24 a 29 de novembro
Local: InnSaei.TV, YouTube e Redes Sociais do FCV
Online e Gratuito