Com quase sete décadas de vida, Claudino de Jesus é dono de uma trajetória múltipla no mundo das artes, em especial no audiovisual, além de ser médico, gestor público, professor universitário e ambientalista. O que une essas diferentes áreas de atuação em sua biografia é o seu engajamento nas causas coletivas, na defesa da democracia e da diversidade.

Dada a sua enorme contribuição para a cultura do Espírito Santo, Brasileira e também internacional, ele será o Homenageado Capixaba do 27º Festival de Cinema de Vitória. Como parte da homenagem será produzido o Caderno do Homenageado, uma publicação exclusiva assinada pelo jornalista Paulo Gois Bastos. O homenageado também irá receber uma escultura inédita criada pelo artista Vilar e uma joia exclusiva da Carla Buaiz Jóias, além do Troféu Vitória.

Natural de Barra de São Francisco, município do noroeste capixaba, produtor, ator, técnico e diretor nas áreas de audiovisual e artes cênicas, Claudino é um dos principais personagens da retomada do movimento cineclubista brasileiro no início dos anos 2000, realizou trabalhos em várias frentes do setor audiovisual, mas é, sem dúvida, na militância em defesa dos direitos do público que sua atuação mais se destaca. 

Em suas palavras, trata-se de buscar promover “o acesso a todas as formas de manifestações culturais existentes de todas as nacionalidades, sem imposição de uma sobre a outra. Somente dessa maneira é possível ter uma cidadania plena. Para além do debate sobre a obra cinematográfica, o cineclubismo é o encontro do filme com a realidade de um determinado público e, por isso,  nós cineclubistas temos o cinema como objeto central para dialogar com o público de modo a contribuir para a formação de sua cidadania cultural e para sua organização em torno de outros direitos”. 

Em 1974 Claudino se aproximou do cineclubismo enquanto era estudante de Medicina na Ufes – formação concluída em 1979 e seguida de seu ingresso na mesma instituição como professor. Sua militância junto ao movimento cineclubista brasileiro e mundial o levou à presidência do Conselho Nacional de Cineclubes (1981 a 1995 / 2004 a 2010) e à presidência da Federação Internacional de Cineclubes (FICC), cargo exercido por quase dez anos – de 2010 a 2019.

Por meio de sua produtora criada em 1986, a Verve Produções, desenvolveu inúmeras funções em vários filmes entre eles A Morte da Mulata, de Marcel Cordeiro; O Fantasma da Mulher Algodão, de Margarete Taqueti; Ilhas Caymã de Gabriel Perrone; O Homem que Sonhava Fotografia, de Sebastião Ribeiro Filho; Expedição Tabachi, de Claudino de Jesus e Marcel Cordeiro; e Baía do Espírito Santo, de Claudino de Jesus. 

Para a diretora do FCV, Lucia Caus, é um privilégio homenagear a contribuição do artista nesta edição do festival. “Claudino de Jesus é uma figura de extrema importância para a cultura no Espírito Santo, do Brasil, e também internacionalmente. Com várias frentes de atuação, seu nome é referência no movimento cineclubista e em diversas áreas do audiovisual e da produção cultural. É uma honra poder homenagear no 27º Festival de Cinema de Vitória um profissional que pode ser definido como sinônimo da palavra cultura”. 

O 27º Festival de Cinema de Vitória conta com o apoio da Rede Gazeta e do Canal Brasil. Conta também com o apoio institucional do Centro Técnico do Audiovisual (CTAv), Tower Web, Dot, Mistika, Link Digital, ABD Capixaba e Carla Buaiz Jóias. A Realização é da Galpão Produções e do Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA).

27º Festival de Cinema de Vitória
Quando
: 24 a 29 de novembro
Online e Gratuito