A identidade visual do Festival de Cinema de Vitória é algo que tem surpreendido o público a cada nova edição. Para sua 24ª edição, que acontece de 11 a 17 de setembro deste ano, a programação visual do evento rende homenagem a um dos mestres do cinema brasileiro – Glauber Rocha – e aos 50 anos do filme “Terra em Transe”, obra emblemática do diretor.

 

O designer Paulo Prot é a mente criativa por trás nova logo do Festival e da ilustração que se baseia nas icônicas fotografias em que Glauber Rocha está parodiando o conto dos três macacos sábios. A ilustração também faz referência a uma frase proferida pelo cineasta baiano em uma entrevista onde ele diz que “cinema é pra ver e pra ouvir”. Nas imagens abaixo, confira o processo de criação:

 

Solidez e novidade

No processo de concepção da nova marca do FCV, buscou-se  transmitir a solidez de um evento que acontece há mais de duas décadas e ainda sim garantir uma boa relação com as novidades trazidas a cada nova edição do evento. No sentido visual, a marca se baseia em uma perspectiva diferenciada da tela de cinema, pendendo mais pra um trapézio, enquanto o logotipo se mantém sólido.

Paulo Prot explica que foi desafiador desenvolver a identidade visual e que buscou levar consideração características mutáveis e fixas da marca: “para esse aspecto, foram definidos a tipografia e o diagrama dos materiais, ou seja, o comportamento da marca junto a outros elementos em um grid modular. Os elementos mutáveis surgem com o objetivo de demonstrar o ineditismo de cada edição do Festival, podendo ser estes elementos ilustração, fotografia ou linguagens híbridas como montagens”.

 

Salvar